terça-feira, 31 de março de 2015

De mota pelos Pirinéus V - Andorra e Val d'Aran


Os pequenos hotéis de montanha
Tinhamos decidido cruzar outra vez os Pirinéus, para Espanha, em Andorra. Atendendo a que já conheciamos o principado e não estavamos interessados em comprar equipamento de ski ou máquinas fotográficas, não tencionavamos parar muito tempo por lá. Os nossos objetivos, decididamente, estavam longe dos grandes aglomerados turísticos; estavamos virados, isso sim, para a montanha e parecia um bom local para atravessar novamente para Espanha.



Uma rua de Escuñau
O tempo ameaçava chuva, mas já tinhamos apanhado muitos chuviscos e estavamos confiantes de que não seria mais do que isso. Mas, mal começamos outra vez a subir a montanha, a temperatura começou a descer e as nuvens adensaram-se no céu. Em Pas de la Casa já chovia e quando chegamos a Andorra la Vella chovia copiosamente. A chuva, em cima de uma mota, é muito desagradável; pior mesmo só o calor excessivo. Os nossos fatos de água protegiam-nos o corpo, mas as luvas de verão ensoparam-se de água que começou a escorrer pelas mangas e pelos braços. A viseira do capacete, sem limpa pára-brisas, tirava-nos visibilidade. E eu só pensava em parar e abrigar-me!
Parámos, finalmente. Nunca me agradou tanto entrar num centro comercial! Era tudo tão quentinho e confortável! Encontramos um secador de mãos muito potente, numa casa de banho, e aí estivemos a secar a roupa, particularmente as luvas. Almoçamos no centro comercial. Não viamos as montanhas naturais, mas viamos montanhas de gente que passava! Foi o melhor que se conseguiu arranjar!


A Igreja de San Péir - Ço de Péirjoan
Considerada a casa mais antiga do Vale de Aran
A porta medieval do Ço de Peirjoan





















A seguir ao almoço, tinhamos de seguir, com chuva ou sem ela. Felizmente, o temporal amainou e conseguimos cumprir o nosso itinerário. Cruzamos os vales d' Aneu e d'Aran, bordejando o Parc Nacional d'Aiguestortes, com as suas belas e consecutivas estâncias turísticas. No inverno e na primavera, quando toda aquela zona está coberta de neve, são estâncias de ski muito concorridas, como Baqueira e Beret. No verão, os grandes hotéis são muito menos concorridos, mas há hotéis mais pequenos e pitorescos, bares e restaurantes, casas de férias, e o ambiente é igualmente muito agradável. Foi num desses pequenos hotéis do Val d'Aran que pernoitamos, com paredes de pedra e sardinheiras nos balcões.
Estes vales mereciam uma paragem maior. Podiamos bem fazer umas férias só a explorar os trilhos de montanha, os lagos, as paisagens magníficas, as pequenas igrejas medievais... mas havia que seguir viagem!
Do percurso que tinhamos preparado, só falhamos a paragem no Port de la Bondigua, com os seus 2072 metros. Ainda lá passamos, mas o frio e o nevoeiro eram tão intensos que decidimos não parar. Os sacrifícios têm limites! Especialmente em férias...


Quarto com vista sobre a montanha

Um passeio pelo Vale do Varosa

O Mosteiro de São João de Tarouca O rio Varosa é um afluente da margem esquerda do rio Douro, que nasce na Serra de Leomil e desagua ...